Bio

A menos de 2 meses para se formar, resolveu deixar o curso de Comunicação Social para trabalhar com cinema no Rio de Janeiro. 14 anos depois, Cris Azzi acumula uma experiência de mais de 20 longas metragens.

Nos primeiros filmes trabalhou como Assistente de Produção, naturalmente se aproximou da direção e foi Assistente de diretores como Sergio Rezende em Zuzu Angel, Tata Amaral em Antonia e Paul Leduc (México) em O Cobrador. Em 2007 conheceu Karim Ainouz. Foi seu assistente de direção na série Alice, da HBO, depois em telefilmes da mesma série em 2010, e em O Abismo Prateado, filme que estreou em Cannes em 2011. Cris Azzi ainda foi Diretor Assistente de Anna Muylaert no telefilme "Para Aceitá-la continue na Linha" para a TV Cultura, que posteriormente foi adaptado para longa metragem.

Como diretor estreou com Sumidouro em 2005, um curta documentário premiado pelo MINC. Depois veio o episódio “Qualquer Vôo” do longa metragem “5 frações de uma Quase História”. Sumidouro virou longa e estreou em 2008 no festival É Tudo Verdade. Em 2012  finalizou uma trilogia de filmes de amor feitos na China, em Cuba e no Brasil. Ao lado de Luiz Felipe Fernandes, dirigiu o doc O DIA DO GALO , com 200 mil visualizações no youtube na versão curta e o prêmio de melhor filme no Cinefoot 2014 em BH na versão longa do filme. Está finalizando " Cada Dia Uma Vida Inteira" seu novo filme de Longa Metragem com previsão de estréia para o final deste ano.

 Durante esse caminho foi convidado para dirigir alguns trabalhos corporativos para clientes como Adidas, Nestlé, Fundação Clóvis Salgado e BMG. Gostou de fazer e quer fazer mais.